TORNA-TE QUEM TU ÉS!

Argumentos e mais argumentos. E as provas?

Alguns afirmam que derrubar uma argumentação que visa provar que um deus existe não vai provar que esse deus não existe, só prova que tal argumentação carece de embasamentos racionais por ter falhas na lógica, por isso foi derrubada, e não porque o que ela defende não existe.
Como é?!!! Sim, eu já ouvi isso. Esse argumento é de uma comicidade de tirar o fôlego, não?
Tentar dicotomizar um raciocínio dessa forma demonstra o desespero que muita gente tem em crer no que não pode explicar através da racionalidade. Assumem que sua argumentação é deficiente, mas não assumem que o que ela defende é fantasioso. Preferem utilizar a fé pura e simples, sem experiências práticas, sem experimentos empíricos, ou seja, preferem crer por uma questão de necessidade psicológica. Dissecar um argumento dessa forma é torná-lo intelectualmente desonesto.


Ora, se uma argumentação que contenha provas irrefutáveis, nenhuma contradição e uma base firme de racionalidade é o que falta para provar a existência de um deus, quando se demonstra que ela carece justamente dessas bases obrigatórias, então se comprova claramente que o deus que ela defende não existe.

Se existir uma mente cósmica incompreensível, um cérebro etéreo universal, uma consciência perfeita que ocupe o todo, algo que esteja acima de todos os deuses pessoais criados pelo ser humano, ai quem afirmar isso terá que provar com argumentos concretos.
Assim sendo, voltaríamos ao inicio do problema não é? Só que com um deus diferente, impessoal, abstrato e mais subjetivo ainda.

Parece um argumento circular, utilizado para confundir o interlocutor, mas o ateísmo não se utiliza desse tipo de desonestidade intelectual.

Homossexualidade.

Porque os desvios do padrão são anormais?
Por causa do preconceito embasado numa limitação intelectual.
O ser humano tende a crer no que se padroniza, acredita que a verdade está contida onde as crenças do maior número de pessoas se encontram.
Será isso realmente uma verdade inegável?
Em se tratando de cultura e fé, não.
No que se refere a fenômenos comprovados empiricamente repetidas vezes, sim.

A gravidade existe? Pergunte aos suicidas que mergulharam de prédios.
Apesar deles não poderem mais responder, o “presente” que eles deixaram no chão, já é resposta suficientemente conclusiva.
Volte no tempo e pergunte a um viking se Odin existe, a resposta dele será de uma certeza inquestionável.
E para você, Odin existe? E Zeus? E Júpiter?
E Allah, e Iaweh, e Jesus?
Você já se questionou sobre a verdade de seus pais?
Falo “verdade de seus pais” no sentido de herança cultural, de aprendizado dentro de casa, na escola, nas ruas, entre amigos, de uma forma tão “natural” que aquilo nos parece a verdade absoluta.
“É porque é”.

A homossexualidade é “natural”?
O que seria algo natural?
O ser humano confunde o que é natural com o que é aceito pela maioria por ser fruto de uma padronização preconceituosa culturalmente imposta.
Preconceito, o nome já diz, conceituar previamente.
E como se faz isso? Herdando idéias já previamente estabelecidas.
E como se tem idéias estabelecidas?
Se deixando levar, sem questionar, pela cultura da qual tais idéias emergem.

Existe homossexualidade entre animais?
Sim. Sem dúvida.
Ora, eles escolheram? Eles decidiram?
Eles resolveram se aventurar por esse caminho para “ver como é o lance”?
Não. Isso, para eles, foi um ato perfeitamente natural.

O que vem da natureza é natural.
Qual a diferença entre formigas modificarem o jardim construindo um formigueiro e o ser humano mudar a paisagem erigindo prédios?
Nenhuma.
Tudo faz parte da natureza.
O ser humano faz parte da natureza, ele não é um ser a parte dela.

Quem disse que o sentido de um relacionamento é a reprodução?
Reprodução é apenas uma conseqüência, ou não.
O sentido de um relacionamento é estar junto de quem se ama.
Se o sentido de um relacionamento fosse pura e simplesmente a reprodução, casais de idosos não se apaixonariam, pois a natureza não permitiria.
Pessoas estéreis também não.
A natureza criaria dispositivos para manter essas pessoas sozinhas.
Que crueldade não?

Citando a religião, que é no que a totalidade dos preconceituosos se prende:
Se tudo o que deus faz é bom, e se o homossexual nasceu homossexual, não tendo escolha, então foi um ato divino. Sendo assim, foi vontade de deus.
Para se tornar um traficante, um estuprador ou um assaltante existe escolha.
Para se tornar um político corrupto, um padre pedófilo ou um pastor enganador também.
Quanto a “se tornar” homossexual, não.
Ninguém se torna homossexual.
Não há escolha... se nasce.
Então, faz parte da natureza, já que a pessoa não teve escolha.
Se a pessoa nasceu assim, então é natural.
Porém, como ela irá lidar com isso... ai sim, será uma escolha.

Ir contra a natureza, isso sim, é buscar negar o que se é.
Imagine um heterossexual negando sua condição para se tornar homossexual.
Isso é um absurdo? Claro.
Tanto quando um homossexual negar sua natureza para se obrigar a ser hetero.

Um pássaro pode se obrigar a ser réptil, só porque os répteis resolveram que ele tem que ser assim?
Um leão pode tornar-se herbívoro, só porque o treinador resolveu alimentá-lo com alface?
Não neguemos nossa natureza.

No Brasil os islâmicos dizem que sua religião é a da paz e do amor, claro, eles são minoria. Já no país deles, surram e estupram mulheres, espancam e executam homossexuais. Isso é amor?

Eles agem como skinheads, que são covardes quando estão em minoria, mas quando estão em bando, quando são a maioria agem como vândalos assassinos.
Valem-se das leis democráticas dos países laicos e desenvolvidos para abrir suas mesquitas pelo mundo, mas o que dizem as leis dos seus próprios países quanto a abertura de templos budistas, cristãos ou de outras religiões?

Os cristãos no Brasil são maioria, por isso, protestantes e católicos fanáticos entram na política para buscar meios legais de impor a toda uma nação suas fantasias primitivas e leis nazistas homofóbicas.
Em países desenvolvidos a união homoafetiva não é mais discutida tampouco permanece tabu, já foi resolvida há anos, todos têm seus direitos assegurados por leis.
O Brasil, como permanece na idade da pedra, ainda insiste em dar ouvidos a fanáticos com a sexualidade reprimida.

Bandidos que se valem de um povo ignorante para enriquecer.
Se dependesse desses pastores (que levam seus rebanhos para o abatedouro do intelecto) o Brasil viveria atado a valores da idade do bronze, seria escravo de uma ditadura religiosa primitiva.

Teoria "Dylanesca" da Reencarnação.

Reencarnar.
Ser trazido de volta a carne, conduzir novamente o espírito a um novo corpo.
Sem dúvida que toda essa mecânica misteriosa guarda muita imaginação.
O ser humano como um ser fundamentalmente emocional traz em si esse conteúdo primitivo de mistificação do que pode ser naturalmente explicado.
Vamos divagar um pouco.
A reencarnação ao invés de ser a transferência da alma de um corpo para o outro, tendo sido criada e organizada por uma mente cósmica além do nosso alcance de compreensão, por que não poderia ser uma “transfusão” de consciência, praticada pela natureza?
Fantasia por fantasia, busquemos a menos mística. (essa não seria a menos imaginativa).
Por que jogar toda a experiência adquirida no lixo?
Por que apenas não mantê-la latente no âmago do intelecto para utilizá-la no momento oportuno?
Por que desperdiçar milhões de anos de aprendizado gradativo e penoso?
Se as vezes se classifica a memória como uma gaveta que guarda nossas recordações, por que ela não poderia ser um armário com varias gavetas sendo cada uma o arquivo de uma vida diferente? Um arquivo com dados de milhões de anos.
Se ainda temos a velha violência primitiva presente, por que não ter as primeiras memórias guardadas?



A natureza poderia ter um dispositivo de transporte da consciência de um receptáculo (corpo) para outro na intenção de que todas as experiências não se perdessem e assim o ser humano se tornasse a cada “transfusão” mais apto para a sobrevivência e conseqüentemente para a reprodução.

A evolução das espécies demonstra que os corpos reagem ao meio, se modificando gradativamente a cada geração na intenção de adaptar-se a ele. Os transportes mnemônicos também poderiam ocorrer com a finalidade de sobrevivência através de uma adaptação inteligente, não apenas física.

E as lembranças do pós vida?
Parentes amorosos, “guias espirituais” que aparecem para nos dar uma ajuda caridosa?
Um amortecedor criado pelas nossas lembranças com o intuito de pacificar a “transfusão”.
E o que não se identificasse com nossas lembranças?
Falhas naturais de encaixe durante o processo somadas a presença do inconsciente coletivo.