TORNA-TE QUEM TU ÉS!



É da perturbação que nasce o fluxo criativo. É no movimento das mórbidas engrenágens da existência que o conflito deve se instaurar como fator determinante de mudanças.
A quebra de uma continuidade encarceradora é o único meio de se sentir realmente vivo.
Transgredir é libertar-se, mas pensar é um inferno quando o raciocínio nos leva a certeza de que realmente somos prisioneiros e que é uma situação irremediável.
Aí está a vantágem de se ser um ignorante. A felicidade.
Precisamos de um pensamento desconstrutivo, ou seja, um raciocínio que desconstrua através do questionamento as certezas geradas e consolidadas desde a infância de que temos a obrigação de perpetuar idéias e valores.
Desconstruir não é destruir:
Destruir é eliminar uma idéia para substituí-la por um outro modelo de pensamento, um novo paradigma que fatalmente se estagnaria com o tempo. Perdendo a real função de sua criação, se tornaria tão hediondo quanto o valor que o precedeu.
Desconstruir é deslocar. É ter a consciência não só que determinadas idéias já estão ultrapassadas, que são daninhas ao livre pensamento, mas criar novas em oposição, porém sem eliminar as pré-existentes no sentido puro da comparação entre ambas.
Se buscarmos eliminar a tristeza, como poderemos então dar valor a felicidade?
Aproveitemos então os momentos de dor para criar, para sentir, para aprender e não simplesmente para negar esses preciosos instantes buscando afastamento da sua importância para a criatividade e o auto-aprofundamento.
“Deus sem o diabo, já teria arrumado as malas.”

Um comentário:

teddantas disse...

Aki é o Ted da comunidade "Deísmo"
Parabéns Véio! adorei o texto! Nestes dias estava pensando na necessidade da desconstrução, Seu texto me paralisou por uns segundos.